meus amores

terça-feira, 4 de junho de 2013

Ela quer saber o que fazer para parar a dor. Eu não sei. Sei que a mesma chuva que alaga é a que fertiliza. Que o motivo da gargalhada, às vezes é mesmo que desata os choros, que prolonga um encontro ou o impede. A mesma chuva que me torna introspectiva e preguiçosa é a que me nutre e sacia uma sede absurda que nasci tendo. E quando faz sol, eu me amplio toda ouvindo aquele barulhinho delicado e sutil da umidade se ausentando. E deixo, deixo mesmo que a luz entre e transborde o meu sol interno, aquele do meu plexo perto do coração, para que meu olhar se encha de faíscas de vida novamente.

Quando dói em mim, eu deixo. Deixo doer até a última gota de água salgada. Depois ela se vai. A dor não quer outra coisa que não seja exercer sua função: doer. E não é banalizando, embotando as emoções que ela vai deixar de surgir de tempos em tempos. Não sei como dói em você, mas por saber como dói a minha dor eu tento imaginar a sua: de tão abstrata incomoda fisicamente porque se humaniza em nós. E nos humaniza.

Deixe doer o que for honesto. Deixe alagar seus olhos de chuva, escorrer pelo seu rosto e traçar caminhos sinuosos ou retas perfeitas como fazem os rios. A dor só quer te lembrar que há vida naquilo que você rejeitou porque compunha o outro extremo do que imaginávamos ser a felicidade. A dor quer que você adquira sabedoria experimentando a totalidade...

Feliz responsabilidade.

Marla de Queiroz

3 comentários:

Malu Silva disse...

Só nos valem as dores verdadeiras. Aquelas que tem uma coisa concreta e significativa... as demais que as deixemos de fora. Como bem disse que deixe doer a dor honesta...
Um abraço

Malu Silva disse...

Lindo. A chuva que entristece é a mesma que alegra e depois deixa sair o arco-íris... Vou levar, ZINA!!!
Beijinhos...

Ange Rocha, disse...

Zinaaaa, quanto tempo!!!
Como vc está? Engraçado que nos adicionamos no FB e não conversamos nada, já percebeu? rsrs Sinto saudades dos tempos em que trocávamos figurinhas por aqui... A vida anda tão corrida, né? No máximo postar uma bobagem no FB! rs E pelo visto não é só eu que larguei um pouco o blog, né? rs Beijo, saudades!

Ange