meus amores

terça-feira, 12 de abril de 2011

AMOR E FELICIDADE



Alcançar o amor talvez exija mais renúncia do que alegria e felicidade.

Nem sei se a felicidade pessoal é compatível com o amor. Por que ligar felicidade ao amor?
O amor é sério demais para almejar a felicidade.
A felicidade está sempre ligada a alguma forma de inconseqüência.

A paixão sim faz a gente feliz. Só transar? Melhor ainda.
Assim como é preciso alguma crueldade para viver, assim como há sempre alguma agressão embrulhada em qualquer vitória, também a felicidade precisa de alguma inconseqüência.

O amor por si, é repleto de "trágicos deveres".
Por isso o amor não está ligado à felicidade.
Os que assim a perseguem, deveriam desistir de amar.

O amor é um sentimento ligado à lucidez, à renúncia, à compreensões das contradições.

Amar é ser capaz de viver um sentimento que se misture fundo com a vida, se torne corriqueiro, mal percebido, sem grandeza, sem efeitos extraordinários, emoções particulares ou excitantes.

Aqui reside, pois, as complicações do amor.
Só se torna visível quando ameaçado acabar.
Só se descobre quando se supõe nada mais sentir.
Está onde menos se espera.
É profundo, vital, doador, independente de exaltações. Flui imperceptível, aparece ao sumir.
Pessoas que separam, mesmo livres uma da outra, sentem um vazio, uma perda, um sentimento de possibilidade perdida.

É preciso muito viver, muito desiludir-se, muito sentir, muito experimentar, muito perder, muito renunciar, para encontrar o próprio amor, guardado não se sabe em que dobra da gente, e muitas vezes nunca descoberto.

Morrer sem descobrir o próprio amor escondido é freqüente. E terrível.
O que estamos fazendo com o amor que está em nós e diariamente trocamos pelas emoções prazenteiras, pela felicidade inconseqüente, pelas alegrias passageiras?


ARTHUR DA TÁVOLA

16 comentários:

Van disse...

Encontrar o próprio amor.

É isto Zina, o amor está em nós, não é o outro que o provoca, somos nós que abrimos as nossas portas para o amor que há em nós ir de encontro ao outro, ao mundo. É preciso saber abrir a porta

Zina disse...

É verdade Van,e é preciso estarmos abertos pra receber o amor do outro que quer se aconchegar a nós. "O amor está onde menos se espera"Precisamos estar atentos aos sinais.

William Garibaldi disse...

Zina! Que texto incrível!
"É preciso uma certa crueldade para viver!"
Que forte!
Amor... ah o Amor...! é muito de renuncia mesmo! E mais ainda de insanidade!
Gostei tanto que vou postar lá no VF como parte do Rosários de Fogo ( Pode???? )

Inspira a viver sem medo... a experiênciar com totalidade a vida!...
Bjus e um Xero!
To de volta agora pra ficar!
Mundo dos net's.. deixa saber!.. rssssssss

Will disse...

É preciso muito pouso e muito voar para que o jardim da vida seja fecundado de todo.
Abç

Fatita Vieira disse...

Zina,

Obrigada pela visita e pelo beijo pelo DIA DO BEIJO.

Retribuo com um beijo também.

Rô... disse...

oi Zina,


fiquei muito feliz que tenha gostado do meu cantinho,
a porta sempre fica aberta é só entrar...
só não vi sua fotinho nos seguidores...

as vezes esses blogs ficam descontrolados...

temos que cuidar e cultivar muito esse amor que habita em nós,
todos os dias o tempo todo...

muitos beijinhos
ah,já me acomodei por aqui,
delicioso cantinho

Zé Carlos disse...

Bom dia garota querida, obrigadão pela visita e por causa do seu comentário, recebeu um e-mail, busque lá!!! (no Gmail)

Beijão do Zé Carlos

Malu disse...

Que bela escolha! Arthur da Távola sempre a exalar sábias e doces palavras.
Que bom que foi pelo meu INFINITO.
Seja sempre bem-vinda!
Abraços

Graziella disse...

olá querida... gostei do post......
bjos pra vc...... fique com Deus

Dinorah disse...

Zina,
Acho que de tudo que vivi, o que pude constatar com a maior certeza é de que o amor surge quando menos esperamos. É muito verdadeira esta expressão.
Um lindo dia.
Dinorah

Ange Rocha, disse...

Zinaaaa, saudade de vc!!!! Amiga, dessa vez eu peguei pesado, né? Sumi pacas! Mas hj arrumei um tempinho pra estar aqui em seu blog. Adoro, vc sabe...hehe! Vou ver se neste fim de semana (ou na semana santa) eu escrevo alguma coisa...rs Ah, amo estar aqui pra ouvir Maria Gadú e ler seus textos!

Óh, esquece de mim não, viu! Tô meio ausente, mas retornarei ;) Beijo, beijo!

Amapola disse...

Bom dia, querida amiga.

O amor só é bom, enquanto não temos medo de perdê-lo. A insegurança nos faz sofrer, porque o amor não é incondicional. É toma lá, dá cá.
A paixão então, valha-me Deus! É tanto sofrimento, tanta falta de paz...

Adorei seu texto.

Um grande abraço.
Tenha um lindo fim de semana.

Sid disse...

Sábia escolha de texto Zina.
Arthur da Távola é sempre genial e intrigante.
Creio que "amar" é sinônimo de "renunciar"...
Beijos...

taio disse...

lindo post

Consultora em Educação disse...

As mãos da mulher
Ivone Boechat (autora)

Vestem necessitados,
ensinando a bondade.
Dão o exemplo,
ensinando o amor.
Embalam o berço,
ensinando a ternura.
Indicam o caminho,
ensinando a decidir.
Preparam alimentos,
ensinando a repartir.

Erguem as mãos,
ensinando a orar.
Abrigam o aflito,
Ensinando a esperança.
Enxugam a lágrima,
ensinando a compartilhar.
Constroem a família,
ensinando a confiar.
Plantam flores,
ensinando a trabalhar.
Publicado no meu livro AMANHECER 3ª.Ed Reproarte- RJ 2004
http://www.escrita.com.br/escrita/leitura.asp?Texto_ID=829

Consultora em Educação disse...

As mãos da mulher
Ivone Boechat (autora)

Vestem necessitados,
ensinando a bondade.
Dão o exemplo,
ensinando o amor.
Embalam o berço,
ensinando a ternura.
Indicam o caminho,
ensinando a decidir.
Preparam alimentos,
ensinando a repartir.

Erguem as mãos,
ensinando a orar.
Abrigam o aflito,
Ensinando a esperança.
Enxugam a lágrima,
ensinando a compartilhar.
Constroem a família,
ensinando a confiar.
Plantam flores,
ensinando a trabalhar.
Publicado no meu livro AMANHECER 3ª.Ed Reproarte- RJ 2004
http://www.escrita.com.br/escrita/leitura.asp?Texto_ID=829